É conhecido também como Forte do mar, fica em Salvador capital do estado brasileiro da Bahia.
O engenheiro-mor é o dirigente das obras de fortificação do brasil, Francisco de frias da Mesquita, foi ele quem deu a primeira concepção dessa fortificação remota a 160. Alguns autores atribuem o seu risco inicial ao engenheiro-mor de Portugal, o cremonese Leonardo Torriani, em 1605.
O inicio da construção foi posteriormente a 1612.
A re-construção do forte foi no século XVII, denominado pela Carta-régia de 4 de Outubro de 1650, durante o Governo-Geral de João Rodrigues de Vasconcelos Sousa(1649-1654), atendendo o.
O engenheiro frânces Filipe Guiton iniciou em 1650 pela construção de um enrocamento em torno do recife, com pedras de arenito extraídas de pedreiras da Preguiça e de itapagipe, transportadas em barcaças. Depois que terminou a construir o enrocamento em 1652 o interior dele foi preenchido com pedras, calcário oriunda do lastro dos navios do Reino, aqui carregados com açúcar e madeira de lei. Guilton trabalhou nessa obras até e falecer em 1656. Em 1657 o seu conterrâneo Pedro Garcin,que até então trabalhava nas fortificações da capitânia de Pernambuco, assumiu as obras ao centro do torreão e os compartimentos dos doze quartís, com as entradas voltadas para o exterior onde as barcaçãs seguiam despejando as pedras que formavam o terra pleno circular envolvente.
Em 1671-1675 o engenheiro militar Antõnio Borreio Pinto inspeciono as obras e passou a dirigir os trabalhos de construção, sendo o perímetro do terrapleno envolvente aumentado para cerca de 220 metros de circunferênci.
No século XVII antes da invasão francesa de Jean-Françõis Duclerc ao Rio de Janeiro(Agosto Setembro de 17100, um relatório de 17 de Junho, da autoria do mestre de campo de Infantaria, Miguel Pereira Costa, Criticava o projeto executado no Forte do Pópulo, propondo soluções.
Trabalhos de reforma são concluídos nas dependências do forte em 16 de Agosto de 1772.