O africano, como alguns já devem sabem vieram da africa, junto com eles vieram suas culturas que se misturaram aqui no Brasil. A maior parte deles sairam do sul do equador pelos portos de Benguela, Luanda e Cabinda, outra parte saiu da Costa da Mina pelos portos de Lagos, Ajuda e são Jorge da Mina e o menor número saiu pelo porto de Moçambique. Assim que chegavam aqui eles eram chamados pelo nome do porto que sairam.
O comércio de pessoas da africa durou mais de trezentos anos, participarão os europeus, brasileiros e ate mesmo os africanos. Esse era o esquema na época.
Os traficantes forneciam tabaco, aguardente, pólvora e mas de fogo aos chefes africanos;em troca exigiam prisioneiros de guerra.
De posse dessas armas, os chefes africanos faziam guerras e obtinham prisioneiros.
Os prisioneiros eram negociados com os traficantes, que os vendiam na América como escravos.
Homens, mulheres e crianças africanas eram forçadas a embarcar nos navios negreiros, em locais pequenos e frágeis e a viagem durava em torno de 30 a 45 dias, tinha pouca comida e de má qualidade, as pipas de água também eram poucas. Um homem adulto valia o dobro de uma mulher e geralmente três vezes mais que uma criança ou um idoso, eles trabalhavam de 12 a 15 horas por dia e começava entre 4 a 5 horas da manhã.
Os homens trabalhavam como agricultor, carpinteiro, ferreiro, pescador, carregador e mais. As mulheres trabalhavam como cultivar a terra, cuidava dos doentes, colhia e moía a cana, lavava, passava, fazia partos, vendia doces e salgados, etc. Após um longo período de trabalho alguns ganhavam liberdade com a carta de alforria.